Este blogue chegou hoje (17-09-2015) às 66666 vizualizações

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Castro de Ovil

Estou enojado com o que vi hoje em Paramos, Espinho. Não é só a fossa em Lever, e em Póvoa do Lobo; temos também um rio de Merda a correr por uma paisagem de verdejante beleza, trata-se da ribeira de Rio Maior, que vem  de Vila da Feira e passa pelo castro de Ovil, deixando no ar  o odor daqueles que neste país apenas pensam na melhor maneira de ter uma bem recheada conta bancária, sabe-se lá onde. Onde andam os ambientalistas deste país? Temos ou não ministério do ambiente? É ou não o ambiente uma prioridade neste século? Apenas e só, conversa fiada para obter dinheiro dos contribuintes.
Tenham vergonha seu bando de parasitas.

Acreditem; ao ver esta imagem o meu cérebro faz actuar o olfacto, e, o cheiro nauseabundo regressa!

Esta verdura que é um encanto para a vista; não esconde a imagem de um rio assassinado pela incúria dos autarcas de Vila da Feira e Espinho.



Zona do Castro já intervencionada pelos arqueólogos; nota-se a inclusão da tela na estrutura.



As escavações continuam a ser efectuadas: pela área do castro, ainda há muito para pesquisar.
Área rectangular que nada tem a ver com as construções castrejas.






sábado, 1 de setembro de 2012

Póvoa do Lobo II

História: nas memórias paroquiais de 1758 o pároco de Dardavaz, indica-nos que Póvoa do Lobo tinha dois moradores.

Depois de andarmos por São Jorge, na procura do Mosteiro; assinalado na Monumental História de Portugal do grande Herculano. Voltamos a visitar a Póvoa do Lobo.

Abundam os lagostins no rio Criz.

Uma das entradas para a antiga estrada que ligava a Rio Milheiro.

Além dos lagostins e peixes, abundam as cobras: O rio Criz no seu esplendor selvagem.

Baixa a albufeira, o rio avança, e nós andamos no seu leito.

-Aqui há muitas cobras, parece um viveiro.
Pelo tamanho da árvore, a represa já à muitos anos que não servia para o fim a que se destinava.

No sitio da velha represa.

Mais uma cobra, pouco incomodada com a nossa presença, esta de maior tamanho;  a jusante da antiga represa.

Com a descida da albufeira, podemos caminhar pelo leito do rio, e até, encontrarmos esta vergonha para a Câmara Municipal de Tondela; um cano de esgoto formando uma fossa fecal no leito do  rio Criz. Pela constituição do cano, podemos afirmar; tem mais de cinquenta anos este encanamento de dejectos fecais para o rio.

Outra visão do "lago" artificial.

 Baixou a albufeira; avançamos nós até aqui.

Zona da albufeira; já não dá para avançar mais.

Tanta beleza escondida dos olhares do mundo. Um paraíso perdido na imensidão deste espaço selvagem.



Velha estrada cavada no xisto, marginando o rio do lado de Rio Milheiro: Aventuro-me a imaginar os carros de bois carregados de milho para ser moído na azenha da Póvoa do Lobo.

Outra entrada mais abaixo para descarga do milho: passavam as pessoas por uma ponte pedonal feita de pedra, e colocada espaçadamente sobre o leito do rio.

A azenha, vista do lado de Rio Milheiro.

A ponte pedonal; o rio corre agora do lado da Póvoa do Lobo, outrora, tudo indica corria do lado de Rio Milheiro: Os blocos de pedra estão colocados até ao actual curso do rio, estando até aí, tudo assoreado.


Fim do rio; princípio da albufeira.