Este blogue chegou hoje (17-09-2015) às 66666 vizualizações

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Aspirador em 1905


Empreza Exploradora das Patentes "BOOTH" L. da
Palácio da Flor da Murta
152-A, 1º R. do Poço dos Negreiros, Lisboa

Papel timbrado: Sebastião José Leal


Sendo o modelo do século XIX, foi usado no século XX.
Selo fiscal de 50 réis, imposto do selo 1903.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Humberto Delgado: O General


Iva Delgado e Circulo de Leitores 1985.

140 páginas com várias fotografias.

XXV

José Relvas: A questão economica portugueza


Conferência realizada no Centro Commercial do Porto em 3 de Março de 1910.

60 páginas: 17 x 24 Cm.

Lisboa
Typogrphia BAYARD
106, Rua Arco da Bandeira, 110

Impresso em 1910

José Relvas escrevia isto já lá vão 100 anos:

« Portugal pode produzir muito do que precisa para a sua subsistência. A má distribuição dos seus habitantes e a existência de uma grande superfície inculta são os obstáculos que é preciso vencer para restaurar a sua empobrecida economia. Sem duvida outros factores concorrem para agravar a sua má situação, e esses resultados de uma administração publica imperdoável. Basta citar as dividas da nação para condenar tão criminoso regime.
A capitalização de divida publica atribui a cada português a cifra de réis 138$000. A família portuguesa composta de 4 pessoas (média conforme as estatísticas) tem o encargo de réis 552$000, sua parte na repartição da dívida publica. Este número representa o balanço do que cada chefe de família deve à administração monárquica.
Enquanto verdadeiros estadistas tem a constante preocupação de diminuir os impostos de consumo para atender a um dos maiores problemas sociais e procuram a equitativa repartição do imposto, para que não perturbe a função normal da agricultura, do comércio e da industria, o estado monárquico português persiste no incorrigível critério do aumento constante e desordenado dos impostos, e da repartição tributária, em que todo o peso da balança se inclina para as classes menos protegidas da fortuna.»

É verdade Senhoras e Senhores, até parece que foi escrito ontem. Sempre os mesmos a pagar a incompetência. Quem é que assim não sabe governar............ melhor dito - DESGOVERNAR.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Papel Selado - Imposto de Selo 100 réis


5 selos Contribuição Industrial datados de 1899 = 2 Réis em par, não aparados + 5 Réis x 3

terça-feira, 5 de julho de 2011

PAFIL: Pacheco, Filhos, Lda. Porto


Folheto indicativo da cotações do mercado bolsista, Câmbios de papel moeda, moeda em ouro e metais preciosos.
Divida publica, cronicas e resultados de companhias - exemplo, Companhia Carris de Ferro do Porto.
Activos e passivos dos principais bancos em 30 de Dezembro de 1944.